Infiltração, e agora?

infiltracao-iconeAs chuvas de final de ano revelam os problemas ocultos de impermeabilização das edificações.

A impermeabilização é o tratamento mais importante que deve estar presente em todas as edificações, protegendo-as contra infiltrações, em que o custo na fase inicial fica em torno de 3% do valor da edificação. Mas quando não executada com qualidade técnica, pode ocasionar despesas da ordem de aproximadamente 20%, ou gerando danos, até mesmo, irreparáveis em alguns casos.

A presença indesejável de água se origina por meio da umidade do solo, vazamentos ou infiltrações por frestas ou fissuras provenientes de movimentações térmicas, trincas em fachadas, caixas de luz expostas, modificações e condensação de vapor por deficiência de ventilação.

As principais anomalias e falhas mais frequentes do sistema são:

  • Descolamentos da manta de impermeabilização na região do rodapé, incorrendo em formações de fissuras no revestimento das paredes e/ou fachadas;
  • Descolamentos da manta em regiões de ralos, soleiras, peitoris, etc.;
  • Falhas nas emendas entre panos das mantas;
  • Falhas no tratamento de juntas de dilatação;
  • Perfurações na manta por razões diversas, tais como: fixação de peitoris, antenas coletivas, raízes axiais e profundas, etc.;
  • Especificação inadequada de materiais;
  • Ressecamento e/ou craqueamento dos sistemas impermeabilizantes por falta de proteção mecânica;
  • Falta de camada separadora entre a membrana impermeabilizante e a camada de proteção mecânica;
  • Falta de junta de dilatação em proteção mecânica, gerando fissuras de retração;
  • Falta de reforço de telas em mudança de base, ocasionando fissuras de dilatação térmica dos diferentes materiais;
  • Falta de tratamento adequado da base, como arredondamento de cantos e arestas, gerando pontos irregulares e perfurantes nas membranas;
  • Falta de caimento para os ralos, incorrendo em problemas de empoçamento de água sobre pisos e consequentes problemas de eflorescências e manchamentos, entre outros.
  • Falta de impermeabilização no teto dos reservatórios, que ocasiona a oxidação das armaduras provenientes da condensação da água e do gás do cloro presente na água.

A recomendação é sempre que aparecer uma umidade, eflorescência ou infiltração, deve-se contatar um profissional habilitado e especializado na área, para que este, por meio de suas experiências, testes hidrostáticos e inspeções, possa elaborar um relatório técnico apontando as causas que originaram essa patologia, bem como a orientação técnica à sua correção.

Portanto, lembre-se: O mais importante é solucionar a causa, e não apenas o sintoma das infiltrações.

Por fim, alerta-se que o sistema de impermeabilização é “passivo de manutenção preventiva”, e deve sempre que ser corrigido de imediato por profissional habilitado, e não chegar ao ponto da manutenção corretiva, pois irá ocasionar um custo muito elevado a correção do que a prevenção.

Published by

realizarengenharia

A Realizar é uma empresa de engenharia condominial para prevenção de problemas e preservação dos imóveis. Manutenção predial acessível e confiável.

Deixe uma resposta